Aversão ou A versão


"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu."
Eclesiastes 3.1

Os vídeos abaixo são diferentes versões de uma mesma música. Vale a pena assistir pelo menos a de Djavan.














A música Palco é composição de Gilberto Gil e foi lançada no álbum Luar, de 1981. Esse é um grande sucesso de Gil que foi regravado por outros intérpretes. Dois deles foram Djavan e Jorge Vercilo.

A mesma música, várias versões. Dá pra gostar de uma e não gostar das outras, dá pra gostar de todas ou de nenhuma. Depende de muita coisa. Depende muito do momento. Existe a possibilide de alguém não curtir nem um pouco o trabalho de Jorge Vercilo e ouvir palco pela primeira vez na voz dele. Há também a possibilidade de conhecer essa música ouvindo Gil, gostar muito e acabarbar achando interessante as outras versões. Pode haver também a possibilidade de, ouvindo a de Djavan, alguém achar que é impossível fazer melhor. Existem inúmeras possibilidades. 

Acredito que todas essas possibilidades estão relacionadas à maneira que se conhece a música. Uma boa impressão pode abrir espaço para conhecer novas versões, e as más impressões podem comprometer irreversivelmente o que se acha a respeito dela. Ou não.

Vejo muito isso nos meus amigos e nos que não são meus amigos. Conheci os primeiros no momento exato, no "tempo" exato. Eles, assim como todo mundo, têm várias versões,  várias estações. Às vezes gosto delas, às vezes critico-as, mas sempre conheço elas.  Talvez, se tivesse conhecido eles em outro momento, não seriam meus amigos. Os que não são  têm suas virtudes também, mas eu não conheço, ou não quero conhecer.Talvez eu tenha conhecido eles num momento pouco atraente, numa circunstância em que não era possível eu me interessar por suas variadas versões. Mas acredito que esses ainda podem me surpreender bastante. Talvez esse ainda não seja o tempo determinado para esse propósito.

Jehiel Casaes

10 comentários:

Amanda 20 de novembro de 2010 18:00  

O que posso dizer...?
Em que versão eu estava quando nos conhecemos?
ou melhor...qual era a sua?
Talvez essas perguntas sejam irrelevantes já que não importa em que versão estávamos, o importante é que foram as estações perfeitas para que plantássemos o que hoje chamamos de amizade. E que mesmo em tempos de seca, ou fortes chuvas, o solo é fértil e capaz suportar os abalos. [ e dessa vez não vai caber o seu "ou não" viu?!] ;D iauhsuiash


Parabéns pela simplicidade genial!

Kiko Pereira 22 de novembro de 2010 14:51  

Eu tentei achar um motivo pra criar uma discussão aqui mas não encontrei. Você foi feliz ao dizer que pessoas que não criamos interesse em conhecer se apresentam a nós em versões nada atrativas. Ainda que elas tenham algo atrativo em outras versões de sim mesmas, a primeira é a que conta. E acho que assim a seletividade se faz presente. E sou completamente a favor desta. Sou seletivo quanto às amizades e elas se concretizam quando há uma sintonia nas versões. A decisão, ainda que inconsciente é mútua.

A descoberta de novas versões é a prova de fogo para a perpetuação de uma amizade.

Raylaine 23 de novembro de 2010 18:33  

Hoje de tarde eu conversava com uma amiga sobre o que Jêh falou aqui... Penso que todas as pessoas têm uma mesma proporção de qualidades e defeitos, na verdade sou meio contrária a essas definições... acho que no fim ambos são características da pessoa que a depender da situação podem ser legais e em outros momentos não... O que determina bastante a aproximação de duas pessoas é o quanto os dois conseguem lidar com as características do outro...

Várias vezes ouço pessoas justificando o "não gostar" de alguém falando de certa característica que é exatamente o que me atrai àquela pessoa... Acho isso bem legal porque meio que explica a formação dos grupos sociais... É massa a variedade e é muito bom que devido a elas sempre encontramos pessoas com quem nos indentificamos e por isso não temos que viver sozinhos...

Massa também é perceber que as pessoas chegam no momento correto na minha vida... percebo várias vezes que uma relação com elas em outro momento seria impossível e louvada seja a mudança constante que ocorre na nossa forma de pensar...

Ótimo post, Jêh!

Anônimo 28 de novembro de 2010 00:08  

Ridículo. E ainda fala que é cristão. Tome vergonha na cara,a sua bíblia fala que não deve haver esse tipo de separação. Não deve-se julgar as pessoas por características momentâneas.É uma atitude totalmente egoísta.Você vai excluir uma pessoa,apenas,pelo fato dela não satisfazer suas necessidades do momento.O que irrita nessas igrejas como a "IBAM" é essa hipocrisia, falam que todos se amam, porém agem de forma totalmente diferente do que falam.Kiko,sinceramente não sei como você ainda tem coragem de participar de um ministério como o de levitas,você não merece estar lá.Pessoas como você(e todas os autores desse blog),cheias de si,que se acham superiores e mais inteligentes do que outras,devem ter vergonha na cara e mudar.Fikadika.

Victor Dias 28 de novembro de 2010 00:27  

kkkkkkkkkkkk... o anônimo desequilibrado tá com raivinha. Mostra a cara, fariseu

Victor Dias 28 de novembro de 2010 00:39  

A indignação dele mostra que ele nem sequer leu o texto, ou se leu é muito burro e não entendeu

Jehiel Casaes 28 de novembro de 2010 10:57  

Meu querido anônimo, eu jamais comentei em um próprio texto meu, pois acredito que produzi-lo já é o suficiente. As pessoas interpretam da maneira que querem, ilimitadamente. Esse é o interessante, as pessoas sempre pensam muito além do que eu quando escrevo. Repare que os comentaários, geralmente, são mais interessantes que os próprios textos. Mas hoje vou ter que fazer diferente porque sua incapacidade de compreender o que foi escrito aqui é realmente impressionante. Vamos lá:
1) Sim, sou cristão. Mateus 5.11: "Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa." Sua ofensa não me alcança, pois o próprio Cristo já falava de pessoas como você há muito tempo.

2)Não falo de "separação", não falo de inimigos, falo dos que não são meus amigos. Entende a diferença, meu bem? Não falei sobre amor, falei sobre amizade, amizade íntima. Kiko me conhecia mas não era meu amigo há um tempo atrás. Mesmo assim me respeitava, me tratava bem, era educado, mas não era meu amigo. Qual é o problema? Nossa vida tem que ser um livro aberto para todos conhecerem em íntima profundidade? Em Mateus 22.37: "E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo." Meu compromisso com as pessoas é o amor, Anônimo, não de íntima amizade. Inclusive com você.

3) A Bíblia é infalível. MAteus 7.1-3: "Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?" Como pode você, Anônimo, nos julgar como pessoas que julgam as outras? Da mesma maneira você está nos julgando. DEixe de olhar para os cristão, olhe para Cristo, Ele sim é perfeito. Puxa, como você conhece a Bíblia, hein?

4)Assim, é impossível não concordar comigo, amado Anônimo, você julga. Não seria mais ético destilar todo seu veneno só com a gente? Porque é legal receber críticas, Deus pode te usar pra abrirmos os olhos pra muitas coisas. Mas seja elegante, seja ético. Está escrito assim em Mateus 18.15: "Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão;" Entende o que é isso?

5) Por fim, quero deixar pra você um desafio, ele se encontra em 2 Timóteo 2.7: "Porque Deus não nos deu o espírito de COVARDIA, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação." Portanto, seu você realmente se diz cristão, se você realmente acredita na Bíblia: apareça, não há o que temer. Confesso que ficaria muito mais tranquilo se soubesse que você nunca tenha ouvido o evangelho, assim tem todos os motivos do mundo pra falar tanta besteira. Aprenda ler e pensar antes de falar besteira.

Com amor, Jehiel Casaes.

BOTA A CARA OTARIO 28 de novembro de 2010 15:42  

Boa anonino, vc eh a bruxa, um tremendo idiota que nao tem moral pra falar da minha igreja seu hipocrita, mediocre. O que vc tem eh inveja da inteligencia que deus deu a esses autores desse blog. Cala a boca e pense 2 vezes antes de falar da IBam, vc nao sabe de nada, pq nao poe a cara ? mostra quem eh , seja homem ou mulher suficiente pra assumir o q vc ta falando , pelo amor de deus. QUando vc botar a cara e tirar a mascara a gente conversa . Inutil

Anônimo 28 de novembro de 2010 15:44  

eee issso aeee jeehielll -

Anonino quer tirar onda d que sabe da biblia mas na pratica um tremendo idiota.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

ja era pai, vc ta desmoralizado !

Kiko Pereira 29 de novembro de 2010 02:16  

Jehiel falou tudo (e mais até) do que eu poderia dizer aqui. Cuidado com certas palavras que você coloca. O que começou como algo engraçadinho, recheado de brincadeiras, passou a ser uma fonte de acusações sem base alguma. Avalie bem cada palavra que você vai falar daqui pra frente.

Leia direitinho nossos textos. Se tiver dúvida quanto ao que foi dito, procure os autores destes. Tenho CERTEZA que eles não se esconderão em proteção dada pelo anonimato. Pelo contrário, o fato de colocarmos o nosso nome mostra que nos privamos de qualquer proteção.

Eu NÃO vou procurar saber quem é você. Pelo visto você nos observa demais e sabe da nossa rotina. Sabe também onde nos encontrar.

Se quiser dirigir qualquer palavra a mim que seja pessoalmente. Estarei à disposição para ter um diálogo franco e educado.

Postar um comentário

O Insanoscópio

O blog não tem estilo literário definido, nem assuntos limitados. Vamos falar de tudo e de nada; do velho e do novo; do engraçado e do sério. Ainda assim, vocês vão perceber o estilo de cada escritor de forma muito clara. Lê quem quer ler. Divulga quem curte e acompanha a gente. Se somente nossos amigos acessarem, estaremos no lucro.

Seguidores

Pesquisa

Tecnologia do Blogger.