"...Seu All Star azul"


Acho que o All Star foi a melhor coisa que já coloquei nos pés um dia. Não comecei a usá-lo quando criancinha, na verdade, eu já era adolescente quando comprei o meu primeiro. Azul, cadarços brancos, cano curto, tamanho 42 eu acho. No começo, era fanatismo mesmo. Eu usava os meus em todo lugar, ficava horas vasculhando o site do fabricante, pesquisando a história do modelo, aprendendo a fazer diversas tranças e amarrações. Eu só falava em All Star. Minha família e parte dos meus amigos cansaram de mim por um tempo nessa época. Quando eu saía à rua, eu via todos os All Stars possíveis e os contava. Por cor. Descobri que todos os filmes que existem sobre a face da Terra têm alguém usando um par desses tênis. Grande parte dos meus amigos tinha um, era quase uma irmandade. Pra mim, todas as pessoas legais do mundo usavam All Star, todos os Vj’s da Mtv usam, todos os grandes astros do rock sempre usaram. Quem é que abre o clip “Smells Like Teen Spirit” do Nirvana? Certa vez, depois de dez anos sem contato nenhum, reencontrei a primeira menina que gostei na vida. Foi na minha turma do 2°colegial, primeiro dia de aula. Uma das primeiras coisas que falei foi sobre o All Star vermelho que ela usava na primeira série. Ela ficou vermelha também. Ainda tenho um preto de cano alto que já foi todo riscado com refrões de rock do tipo: “nós não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir”. É, durante um bom e fútil tempo da minha adolescência eu acreditei que não precisaria calçar mais nada na vida. Aos 13 anos, tinha encontrado algo exato pra mim, algo que me deixava plenamente satisfeito. Nenhum outro calçado combinava tanto comigo e nem poderia ser tão bonito, versátil e agradável de usar.

Acho que os amores platônicos são muito assim também. Sei lá, parece que um dia se encontra a pessoa mais perfeita do mundo, milimetricamente feita pra você, mais cheia de defeitos suportavelmente adoráveis. Parece que os outros seres humanos são só seres humanos quando comparados a todo encanto sobrenatural que envolve a pessoa amada. Essa pessoa está em cada música, em cada livro, em cada esquina e em tudo que há de mais belo na vida. O mundo gira em torno desse alguém. “Eterno amor” e “razão do meu viver” são clichês de espécie básica. A característica mais marcante do amor platônico é a idealização do sentimento sendo correspondido e manifestado pelo outro, o que de fato não pode acontecer num amor platônico, pois ele é plenamente ideal, não pode se manifestar no mundo concreto. Sendo correspondido, ele perde sua essência. Mas o amor não precisa necessariamente ser correspondido para que seja legítimo. Precisa? Na verdade, o outro nem precisa saber da existência do amante. Ele se satisfaz só por estar amando. 

Sei que existem incontáveis modelos de tênis mais confortáveis, mais resistentes e mais úteis que o All Star. Hoje ele já não combina com todas as roupas que uso e preciso usar. Não tenho nem um pouco daquela obsessão juvenil materialista. Mas, sabe, eu ainda adoro esses tênis. Porque, por mais que eu passe um bom tempo sem usá-los; por mais que a “teenager obsession” já tenha ficado para trás; por mais chato que seja vê-los sendo desgastados em outros pés que não os meus; por mais que não continuem sendo os meus favoritos, eu sempre vou ter lembranças especiais e significativas quando encontrar um andando por aí. Ao amor platônico servem esses mesmos exemplos, porque, da mesma maneira, depois de um tempo as coisas quase sempre passam a ser analisadas com frieza racional. Acaba se descobrindo que aquela pessoa não era a mais bonita, a mais perfeita e muito menos o último ser humano do planeta. Esse amor platônico deixa de ser um conflito e passa a ser uma lembrança patética. Talvez até engraçada, mas sempre significativa. Porque algumas pessoas são únicas.

 Ou não.

Jehiel Casaes 

7 comentários:

Lidiane Ferreira 2 de novembro de 2010 11:40  

Olá!
Bem, vou (re)estreiar meus comentários aqui no Insanoscópio.
Gostei muito do texto, Jê! Gosto muito de All Star, é um calçado que tem um estilo próprio muito interessante.
Sempre quis usar um, mas só fui ter o meu primeiro depois de muitos anos, porque tive que quebrar alguns paradigmas (rs, uma longa história...).
O engraçado é que sinto algo diferente toda vez que calço o meu. Sinto-me mais dinâmica, mais disposta a vencer os desafios... é muito legal! Sem contar que este tênis é um clássico na faculdade onde estudei, a Facom-Ufba (chega a ser hilário ver tanta gente usando).
Quanto ao amor platônico, eu acho interessante quando ele acontece na adolescência, eu achava engraçado. Já tive alguns e observava o de outras pessoas, e essa coisa de não deixar que o outro saiba do sentimento rendia situações cômicas. O problema é que algumas pessoas arrastam isso por sua vida inteira. Querem ficar na esfera do ideal. Limitam-se a padrões de gosto que os impedem de conhecer pessoas novas e interessantes. Deixam de arriscar muitas vezes. E viver é um risco.
Nossa, escrevi quase um post! rs Vou ficando por aqui. Abraço!

Eliade 2 de novembro de 2010 13:49  

Amores platônicos foram muitos em minha vida, especialmente quando adolescente, mas já all star, só um mesmo, há poucos anos, e odiei ele com todas minhas forças. Diabo de tênis desconfortável, ninguém merece... Dei o que tinha depois de 6 meses de uso e muitas bolhas nos pés...

Victor Dias 2 de novembro de 2010 14:07  

All star é aquele tênis que não conquista a pessoa pela confortabilidade, pelos amortecedores, ou por beleza. Ele marca seu dono por ser apenas especial. É como aquela garota que não é a mais bonita, mas ela é simplesmente única...

"senão é como amar um mulher só linda, e daí? Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste, qualquer coisa de chora, qualquer coisa que sente saudade, um molejo de amor machucado" Vinicius (Samba da Bençaõ)

Raylaine 2 de novembro de 2010 16:36  

Eu li esse texto umas cinco vezes antes de me sentir apta a comentá-lo... =PPP

Tá... vou ter que começar elogiando Jê e a sua genialidade... muito bom poder ver um pouco através dela... =)

Eu li esse texto e senti um monte de coisa... Cada parágrafo me provocava um sentimento diferente: nostalgia, encanto, confusão... o texto é muito bom!!!

Tava aqui pensando em como é complicado tentarmos contemplar um texto assim e entendê-lo ao máximo e quando me percebi tentando fazer isso, desisti completamente! Porque essa é a idéia... tem um quê subjetivo, sabe? Que te dá o espaço pra você construir sua opinião frente a tudo o que foi dito... E essa é uma das melhores partes porque é como se a sua mente fosse contaminada pela idéia do autor, mas não completamente tomada, desse modo você constrói um novo conceito, completamente pessoal e único. Vou parar por aqui porque tô parecendo com Zuza nas minhas viagens... =P

Adorei sentir a nostalgia em relação ao all star, mas me identifiquei muito mais com o segundo parágrafo... acho que é porque ele exalta o amor de certa forma... e como ouvi dizer... "todo tipo de amor vale a pena..."... mais do que o desejo de retribuição, acho que o que o amor faz em quem ama, faz valer a pena o risco, ainda quando não correspondido...

Anônimo 3 de novembro de 2010 13:39  

Uma vez eu fiquei todo arriado por uma mulher. Comprei presende e dei com um cartão que eu disse que táva apaixonado e aquelas coisa... Ela riu na minha cara e nunca agradeceu... Não me quis mesmo... E eu otário continuei arriadinho um tempão... Quando eu vejo ela hoje dá vontade de dizer: pegue aquela disgraça daquele presente e jogue fora, sua sacana!

Anônimo 27 de novembro de 2010 18:03  

victor como sempre apaixonado, tentando arranjar alguma mulher....

E sempre tirando onda d que sabe escreve rebuscado .. --'

Caroline casaes. 6 de maio de 2011 09:56  

Sabe Jhê, esse texto me fez lembrar bons momentos que passei do seu lado. Até porquê quem me ensinou a gostar do All Star foi você, dizendo que até "Seu Madruga" do Chaves usava...
Ainda lembro do meu primeiro All Star, cano alto, vermelho e preto (não pelo vitória, até porque sou Bahia convicta, o que aprendi também com você e Gabriel, mas porque só tinha desse.) e foi você, a primeira pessoa que eu queria mostrar aquele "tênis incrível", até porque você usava e eu sempre te adimirei. Obrigada por me fazer lembrar disso.

Postar um comentário

O Insanoscópio

O blog não tem estilo literário definido, nem assuntos limitados. Vamos falar de tudo e de nada; do velho e do novo; do engraçado e do sério. Ainda assim, vocês vão perceber o estilo de cada escritor de forma muito clara. Lê quem quer ler. Divulga quem curte e acompanha a gente. Se somente nossos amigos acessarem, estaremos no lucro.

Seguidores

Pesquisa

Tecnologia do Blogger.