Desligue a TV!


Há muito tempo sem acompanhar novelas, mas neste sábado, casualmente, assisti ao final da novela Passione da Rede Globo.

A emissora traz uma série de questões e problemas sociais como pedofilia, drogas, corrupção, traição, mentiras, o que acaba funcionando como um serviço de utilidade pública, ao fazer as pessoas se indignarem com os acontecimentos.

O que talvez não fique evidente para a massa entorpecida pela trama é a sutileza com que esses assuntos se tornam normais, criando padrões de comportamento (por imitação), levando as pessoas a agirem de forma que a exceção se torne a regra geral. Isso se dá pela inversão dos valores morais, éticos, também distorcendo os valores da família e do casamento. Um exemplo do desprezo por estes valores fica patente na normalidade da bigamia como solução alternativa nestes tempos de infantilização das relações, quando o adulto se sente impossibilitado de fazer escolhas, e como resposta, não consegue abrir mão de uma parte.

É óbvio que a superexposição de alguns temas acaba gerando uma falta de sensibilidade onde o mundo da fantasia passa a ser tão ou mais vibrante que o mundo real, uma vez que as novelas expõem detalhes que, mesmo inverossímeis, fazem parte da agenda de debates semanais. O que parece é que a inversão não é só dos valores da moral e da ética, como também do real e da fantasia. No mundo real, parece que tantas pessoas acreditam em Papai Noel, em políticos corruptos, onde bandidos condenados merecem perdão, já que os Direitos Humanos não são para os humanos direitos. Pouco a pouco uma nova camisa de força se implanta na sociedade enquadrando os temas do “Politicamente Correto”.

Uma das facetas da liberdade é poder dizer não a estas coisas.

Desligue a TV!

2 comentários:

Lidiane Ferreira 17 de janeiro de 2011 22:21  

Você, Tássio, escrevendo no Insanóscopio?? Chega nem acreditei quando vi seu nome assinando o texto... e que texto, muito bom!

"...os Direitos Humanos não são para os humanos direitos." Eu viajei nessa frase. Infelizmente, é ma realidade. O nosso país vive énum círculo vicioso de impunidade; é como se a ética fosse constantemente jogada no lixo.

Ainda bem que temsos a opção de desligar a TV. Há ma gama de coisas que podemos fazer ao invés de ficar com os olhos vidrados na telinha.

Continue escrevendo!

Victor Dias 17 de janeiro de 2011 23:07  

Eu acho graça que as novelas de Manoel Carlos não têm pobre, e passam no Leblon. A televisão é tão idolatrada assim pq transporta o morador da Bolandeira pro Leblon num piscar de olhos. É nesse tempo que ele esquece que é pobre, esquecendo que é pobre, ele não vê motivo pra lutar. Isso é a alienação.

Postar um comentário

O Insanoscópio

O blog não tem estilo literário definido, nem assuntos limitados. Vamos falar de tudo e de nada; do velho e do novo; do engraçado e do sério. Ainda assim, vocês vão perceber o estilo de cada escritor de forma muito clara. Lê quem quer ler. Divulga quem curte e acompanha a gente. Se somente nossos amigos acessarem, estaremos no lucro.

Seguidores

Pesquisa

Tecnologia do Blogger.